segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

* Aluga-se prefeito ou prefeita.

          Deu no blog do Diógenes
          Ao ler a notícia que a Prefeitura de Natal aluga prédios para oito secretarias me veio a pergunta:

- Dá para alugar uma prefeita ou um prefeito?

É, é isso mesmo que você leu:

- Dá para alugar uma prefeita ou um prefeito?

         O natalense poderia aproveitar o festival de aluguéis na Prefeitura de Natal e alugar uma prefeita ou um prefeito porque a cidade anda carente de uma gestão eficiente. Não sou eu quem diz. É o que aponta qualquer pesquisa de opinião pública ou qualquer visita a bairros da capital.
         É senso comum que a prefeita Micarla de Sousa (PV) perdeu dois anos de sua gestão atolada numa crise financeira sem fim e numa falta de rumo que assombra.

* Reforma pode aprovar seis anos de mandato para os próximos prefeitos e vereadores.

         A próxima eleição municipal será uma das mais disputadas na história recente do país.
         É que o Congresso Nacional deverá votar uma reforma política e entre as propostas está a que prevê a coincidência dos mandatos eletivos.
         Há quem fale em 4 ou 5 anos de mandato para todos os níveis da representação política - de vereador a presidente da República.
         Se a proposta vingar, os próximos prefeitos e vereadores poderão ganhar mais dois anos de lambuja. Ou seja, em vez dos atuais 4 anos eles pode levar 6 anos.
         Assim sendo, a coincidência de mandatos aconteceria em 2018.
         Mas a proposta ainda depende de apreciação e votação na Câmara dos Deputados e no Senado.

* STF reafirma que vaga de parlamentar pertence ao partido e não à coligação.

          O ministro Marco Aurélio, do Supremo Tribunal Federal (STF), concedeu liminar na qual determina que a Mesa da Câmara dos Deputados observe o partido, e não a coligação, para empossar suplente em razão do afastamento do deputado Danilo Cabral (PSB-PE), que assumiu a Secretaria das Cidades no governo de Pernambuco.
          O mandado de segurança foi impetrado por Severino de Souza Silva, que é filiado ao PSB e integrou a coligação Frente Popular de Pernambuco, composta por nove partidos políticos para disputar as eleições de 2010. Severino informa que figura como terceiro na ordem de suplência, mas, excluindo-se os candidatos filiados a outros partidos, passa a figurar como primeiro suplente, com direito à posse na vaga do deputado licenciado.
           De acordo com o ministro Marco Aurélio, encerradas as eleições não se pode cogitar de coligação. “A votação nominal se faz presente o número do candidato, sendo que os dois primeiros algarismos concernem não a imaginável número de coligação – de todo inexistente –, mas ao da legenda. Encerradas as eleições, então, não se pode cogitar de coligação. A distribuição das cadeiras – repito – ocorre conforme a ordem da votação nominal que cada candidato tenha recebido, vinculado sempre a um partido político”, sustentou.

* Cidades nordestinas que sediarão copa terão R$ 5,6 bilhões do Governo Federal.

          Durante o Fórum dos Governadores do Nordeste, a presidente Dilma Rousseff anunciou que o Governo Federal irá repassar R$ 5,6 bilhões para obras nas cidades de Natal, Fortaleza, Salvador e Recife.
          Os recursos serão destinados a melhoria da infraestrutura das capitais que serão sedes da Copa do Mundo de 2014.
          Em outro trecho do discurso, a presidente demonstrou preocupação com a pobreza do Nordeste.  “A pobreza no Brasil tem certidão de nascimento (lavrada) nesta região, por isto precisamos crescer mais do que o Brasil e os senhores são estratégicos. Precisamos requalificar investimentos e ações”, ressaltou.

* Semana Pedagógica 2011.

          Teve início a pouco na Escola Josué de Oliveira a Semana Pedagógica 2011, confira imagens:






* Segunda etapa de inscrições no ProUni começa hoje.

         A segunda etapa de inscrições para as bolsas do primeiro semestre de 2011 do Programa Universidade para Todos (ProUni) começa nesta segunda-feira (21) e vai até quinta-feira (24). Há bolsas de estudo integrais e parciais, de 50% do valor da mensalidade, em instituições de educação superior privadas. O Ministério da Educação não divulgou o horário exato da abertura das inscrições.
        Os candidatos que se inscreveram na primeira etapa e não foram pré-selecionados, ou aqueles que foram pré-selecionados para cursos em que não houve formação de turma, podem se candidatar novamente, segundo o Ministério da Educação. Estudantes que não se inscreveram na primeira etapa também podem participar. Aqueles que conseguiram bolsa na primeira etapa de inscrições não poderão participar agora.
        Na inscrição, o estudante pode escolher até três opções de cursos e instituições. Para concorrer, os candidatos devem ter feito o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em 2010, ter atingido no mínimo 400 pontos na média das cinco notas do exame (ciências da natureza e suas tecnologias; ciências humanas e suas tecnologias; linguagens, códigos e suas tecnologias; matemática e suas tecnologias e a redação) e ter nota superior a zero na redação.

* Congresso começará reforma política.

          O projeto de reforma política que começará a tramitar no Congresso Nacional a partir dessa semana deverá ser iniciado pela chamada “Lei Tiririca”.  É assim que está sendo chamado o projeto que acaba com a eleição proporcional para deputados e senadores.
         O apelido da lei é uma referência ao deputado Tiririca, que foi eleito por São Paulo com mais de um milhão de votos e, com isso, conseguiu levar para o Congresso candidatos que, sozinhos, não conseguiriam chegar à Câmara.
         Hoje, as vagas são distribuídas conforme o número de votos recebidos pela legenda ou coligação. Levando em conta esse resultado, o partido tem direito a um número de eleitos, mesmo que alguns tenham menos votos que outros candidatos.
         A mudança tornará inútil a figura do candidato puxador de votos, geralmente representado por algum político importante ou por celebridades.

* Ministros do G20 fecham acordo sobre indicadores.

         Os ministros de Finanças das principais economias do mundo fecharam neste sábado um acordo paliativo para medir os desequilíbrios da economia global, depois que a China conseguiu evitar o uso de taxas cambiais e reservas monetárias como indicadores.
        Christine Lagarde, ministra francesa de Finanças que presidiu a cúpula, disse que o acordo entretanto representa um passo significativo para aprimorar a coordenação das políticas econômicas ao redor do globo, no intuito de evitar outra crise financeira.
        "As negociações foram francas, às vezes tensas, e conduziram a um compromisso final que não pode ser atribuído a nenhuma delegação em particular, mas que garanto representar um espírito de comprometimento e ambição", declarou ela em uma coletiva de imprensa.
         Ministros e presidentes de Bancos Centrais concordaram com uma lista de indicadores que incluem dívidas públicas e déficits fiscais, poupança e empréstimo privados, a balança comercial e outros componentes do balanço de pagamentos, como os fluxo líquido de investimento.