sexta-feira, 18 de maio de 2012

* Pizza: Acordão entre PT,PMDB e PSDB praticamente sepulta CPI de Cachoeira.

Um acordão entre caciques do PT, PMDB e PSDB para poupar os governadores Marconi Perillo (PSDB-GO), Agnelo Queiroz (PT-DF) e Sérgio Cabral (PMDB-RJ). No pacote dos governistas entrou ainda a preservação da Delta nacionalmente, que tem obras com o governo federal.

“Reuniu-se um grupo numa sala e decidiram quem vai morrer. O Rio de Janeiro está enterrado até a alma. O que vamos dizer?”, afirmou a senadora Kátia Abreu (PSD-TO). “Na minha opinião, estamos convocando os bagrinhos da história. Os importantes estão de fora”, complementou.

“Dá impressão de estarem selecionando alvos por orientação político-partidária”, criticou o senador Álvaro Dias (PSDB-PR). “É um mau começo desta CPI”, disse o senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP), um dos poucos a insistir na convocação dos governadores. “Estamos amarelando”, afirmou o senador Pedro Taques (PDT-MT).

O relator e deputados do PT e PMDB se esforçaram para negar um acordão para poupar alguns das investigações. “Não vamos resumir nossos trabalhos em apenas uma reunião”, disse Odair Cunha. “Eu não participei de acordão nenhum. Temos que ter serenidade”, disse o deputado Paulo Teixeira (PT-SP). “Vossa excelência não consegue convencer a uma criança de três anos que essa Delta não tem que ter seu sigilo aberto em todo país”, rebateu o deputado Silvio Costa (PTB-AL), em resposta ao relator.

A votação desta quinta-feira praticamente sepulta a CPI. As investigações devem ficar restritas ao que já foi apurado pela Polícia Federal sobre os membros do grupo de Cachoeira sem avançar para os pontos não apurados pela PF, até o momento, por envolverem políticos, que têm direito ao foro privilegiado. A PF também não investigou a Delta porque seu trabalho era voltado para Cachoeira.

                               Nesse PAÍS tudo acaba em pizza!!

* Sem regulamentação, Lei de Acesso não é aplicada no RN.

A Lei de Acesso à Informação - que entrou em vigor ontem - ainda não está devidamente regulamentada no Rio Grande do Norte pelo Governo estadual, Prefeituras, Tribunal de Justiça, Assembleia Legislativa e órgãos e instituições diversas que recebem recursos públicos. Por causa disso, não será posta em prática - pelo menos não na integralidade, como deve ser - e nem se sabe como e quando as regras estarão finalmente disponíveis para utilização do cidadão potiguar. 

O Governo do Estado respondeu que ainda planeja expôr à população o acesso à informação como diz a lei, mas destacou que a partir de ontem já estaria disponível no site próprio um link específico para que os interessados possam pedir informações diversas sobre a administração estadual.

* Josivan Barbosa descarta ser vice em chapa com Larissa Rosado.

O pré-candidato do Partido dos Trabalhadores à Prefeitura de Mossoró, Josivan Barbosa, descarta compor chapa majoritária na condição de vice da prefeitável do PSB, a deputada estadual Larissa Rosado.

“Fui sondado três vezes. Mas descarto completamente a possibilidade de ser vice da deputada Larissa Rosado”, disse Josivan, que decidiu empreender uma luta contra o diretório nacional, que pretende amanhã selar o destino de Mossoró, destituindo a vontade da maioria petista e abrindo o caminho para o PSB.

Na semana passada, a executiva nacional do PT já discutira a resolução. Como cabe ao diretório nacional tratar da aprovação, a decisão final ficou para amanhã. Josivan espera pelo texto para saber que decisão vai tomar.

“Se a resolução citar diretamente Mossoró, desautorizando o que decidimos, então o diretório municipal avalia se acata ou não, porque não está previsto no estatuto do PT esse tipo de intervenção. De todo modo, vamos para a convenção em junho. Resta saber ser para coligar ou homologar candidatura própria”, explicou o reitor da Ufersa.

* De olho no Senado, Fátima Bezerra se dedicará às campanhas eleitorais do interior.

Deputada federal das mais votadas nas eleições de 2010, Fátima Bezerra (PT), cotada para disputar o Senado em 2014, trabalha para fortalecer o Partido dos Trabalhadores no interior do Estado.

A petista quer construir bases sólidas para que a legenda, hoje pouco expressiva no estado, possa alcançar voos mais longos nos próximos anos.

Por isso, além de Natal onde a sigla tem como pré-candidato a prefeito o deputado estadual Fernando Mineiro (PT), Fátima intensificará a participação nas campanhas do interior.

Nas quatro últimas eleições municipais, a petista foi obrigada a focar no pleito da capital, pelo fato de ter sido candidata a prefeita. Agora, vista como aspirante a liderar uma nova força política em nível estadual, a parlamentar participará das campanhas nos municípios do Rio grande do Norte. 
Visão Política.

* Professores da Uern decidem manter paralisação.

Os professores da Uern decidiram manter a paralisação. ontem (17), a categoria participou de assembleia para avaliar o movimento grevista e retirar encaminhamentos de mobilização.

A assembleia aconteceu na sede da Associação dos Docentes da Uern (Aduern). Na terça-feira (8), a associação apresentou ao Governo do Estado proposta que estabelece pagamento do reajuste de 10,65%, para este mês, retroativo a abril. O executivo estadual ainda não se pronunciou, e, por isso, a greve terá continuidade.

"Durante audiência ocorrida, na última segunda-feira, o reitor da Uern, professor Milton Marques de Medeiros, nos informou que o governo estuda mecanismos para atender a categoria dentro do limite prudencial", disse Emílio Soares Ribeiro, diretor da Aduern.

Para Emílio, falta sintonia entre os que integram a equipe do executivo estadual. "Os secretários vão aos jornais e discursam de forma diferente da governadora em relação à paralisação. O procurador do Estado disse que o governo vai entrar com ação pedindo ilegalidade da greve. Já a governadora diz estar disposta a solucionar o impasse. O secretário Anselmo Carvalho afirmou que o executivo estadual não poderia atender a categoria. São muitas contradições", destacou.

* STF deve discutir na terça-feira como será julgamento do mensalão.

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Carlos Ayres Britto, disse nesta quinta-feira que tentará marcar para a próxima terça-feira uma sessão administrativa para discutir como será o julgamento mensalão. Embora não tenha data marcada, o julgamento demandará uma logística fora do comum para os padrões da Corte, considerando-se o tamanho do processo, com mais de 50 mil páginas, e a quantidade de réus, 38.

- Avançaríamos alguma coisa em termos de cronograma, de logística, de formatação. Independentemente do dia que se marcar para julgamento, já teríamos algumas coisas encaminhadas – disse o ministro a’O Globo.