sábado, 8 de setembro de 2012

* Governo do RN se compromete a criar 420 vagas no sistema prisional.

O Governo do Estado do Rio Grande do Norte, através do procurador geral do Estado, Miguel Josino Neto, se comprometeu a criar 420 vagas no sistema prisional potiguar até o final deste mês. A informação foi confirmada pelo juiz Henrique Baltazar, titular da Vara de Execuções Penais, após reuniu na manhã desta quinta-feira (06) com o próprio procurador e representantes das secretarias estaduais de Segurança Pública (Sesed) e Justiça e da Cidadania (Sejuc).

"A Procuradoria Geral do Estado assumiu o compromisso, em nome do Governo, de concluir as obras no prédio onde antigamente funcionava a Deprov (Delegacia Especializada de Defesa da Propriedade de Veículos e Cargas), na Zona Norte de Natal, que será um novo Centro de Detenção Provisória (CDP).

Quando concluída, ainda de acordo com o magistrado, a obra possibilitará a abertura de 160 novas vagas. Além do novo CDP, o Centro de Detenção Provisória do Panatis, também na Zona Norte da capital, passará por reformas e a capacidade será ampliada em mais 60 vagas

* Deputado potiguar faz alerta sobre problemas causados pelas queimadas.

O deputado Gustavo Carvalho-PSB disse na última quarta-feira (05) que somente com a implantação de um sistema abrangente de monitoramento das queimadas, que vem ocorrendo em várias partes do Rio Grande do Norte, serão minimizados os impactos ambientais registrados no interior.

Preocupado com a situação, o deputado encaminhou, por meio de ofício, um alerta à governadora Rosalba Ciarlini, ao secretário de Segurança e da Defesa Social Aldair da Rocha, ao coordenador da Defesa Civil, tenente coronel Josenildo Acioli Bento, e ao comandante geral do Corpo de Bombeiros Coronel Elizeu Lisboa Dantas para a situação provocada pelas queimadas.

“Recebemos informações que o fogo consumiu parte da vegetação da serra do Lima, em Patu. Na noite de segunda feira 27 de agosto o Corpo de Bombeiros de Mossoró foi acionado e a população de Patu subiu a serra para ajudar a debelar as chamas, junto com muitos moradores da cidade”, afirmou.

O deputado Gustavo disse que as práticas agrícolas antiquadas e de manejo inadequado de pastos para a pecuária são algumas das causas do problema, além dos focos de incêndio acidentais e até queimadas criminosas.

“A queimada é uma prática não sustentável que precisa ser combatida por um tipo de manejo ambientalmente adequado”, concluiu.

* Dos 139 municípios em estado de emergência, 52 ainda não são atendidos por carros pipa.

Mesmo com a decretação de estado de emergência em 139 municípios potiguares, 52 prefeituras ainda não firmaram convênio para o programa de carros pipa do governo federal.

O problema é que essas cidades ainda não cumpriram uma série de trâmites burocráticos, como a criação de coordenadorias locais de Defesa Civil e algumas documentações exigidas. Infelizmente, esse é uma questão que agora só depende dos gestores municipais.