sexta-feira, 29 de março de 2013

* Governo do Estado faz suplementação de mais de R$ 24 milhões no Orçamento.

A governadora Rosalba Ciarlini (DEM) abriu créditos suplementares que ultrapassam a casa dos R$ 24 milhões. Tudo foi divulgado na edição de ontem do Diário Oficial do Estado (DOE).
 
A maioria dos recursos é para agropecuária destinada ai Instituto de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater/RN) e Departamento de Estradas de Rodagem (DER). Os dois órgãos juntos totalizam R$ 23 milhões.
 
Desse montante foram R$ 12 milhões para ações para minimizar os efeitos da seca e R$ 11 milhões divididos para construção de trechos rodoviários (R$ 2,3 milhões) e conservação de rodoviárias (R$ 8,7 milhões).
 
O R$ 1,7 milhão restante foi distribuído para órgãos como Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente (Idema) - R$ 400 mil; Procuradoria Geral do Estado - R$ 150 mil; Empresa de Pesquisa Agropecuária do RN (Emparn) - R$ 105 mil; ampliação da frota da Polícia Militar - R$ 385 mil; de Bombeiros Militar - R$ 130 mil; Secretaria de Desenvolvimento Econômico - R$ 148 mil e Instituto de Defesa; Secretaria de Justiça e Cidadania - R$ 334 mil e Inspeção Agropecuária -R$ 80 mil.

* José Agripino: “Não posso e jamais votaria contra a educação, mas uma criança tem que chegar aos cinco anos alfabetizada".

O senador José Agripino votou a favor da medida provisória (MP) da Alfabetização na Idade Certa, aprovada pelo Senado, mas criticou a idade estabelecida pela MP. Segundo o parlamentar do Rio Grande do Norte, fixar como meta a alfabetização da criança apenas aos oito anos de idade é uma espécie de “revolução para trás”. A MP 586/2012, que já tinha sido transformada no projeto de lei de conversão (PL) 2/2013 na Câmara, segue agora para sanção presidencial.
 
“Não posso e jamais votaria contra a educação, mas uma criança tem que chegar aos cinco anos alfabetizada e era para isso que o Brasil deveria estar caminhando”, afirmou José Agripino. “Quando fui prefeito de Natal, aprendi a governar com pessoas especiais como o padre belga chamado Tiago. Ele me ensinou que educação se começa pelo Jardim de Infância. Alfabetizar aos oito anos é uma meta de quarto mundo”, criticou.

* Guerra à vista: Coreia direciona mísseis para EUA.

O ditador da Coreia do Norte, Kim Jong-un, ordenou na noite de quinta-feira que as Forças Armadas do país fiquem em alerta a um ataque americano e pediu para que sejam apontados mísseis para os Estados Unidos e as bases militares americanas no Pacífico.

A medida foi tomada horas depois de Washington enviar dois bombardeiros B-2, que têm capacidade de levar ogivas nucleares, para os exercícios militares que faz com os sul-coreanos desde o início do mês. O secretário de Defesa americano, Chuck Hagel, disse que o envio dos aviões não é uma provocação a Pyongyang.

Segundo a agência estatal KCNA, o norte-coreano fez uma reunião com generais e ‘julgou que é o momento de acertar as contas com os imperialistas’. O país comunista informa que preparará os mísseis para atacar a parte continental dos Estados Unidos e as bases militares no Pacífico, incluindo as da Coreia do Sul.

Mais cedo, Chuck Hagel disse que os Estados Unidos estava preparado para enfrentar qualquer ameaça dos norte-coreanos e que o perigo vindo do país comunista estava em aumento. ‘Devemos deixar claro que essas provocações da Coreia do Norte são levadas muito a sério por nós e responderemos a isso’, disse.

Escolas públicas têm até 30 de abril para se recadastrar no Mais Educação.

As 32 mil escolas públicas que já participam do Programa Mais Educação têm até 30 de abril para fazer o recadastramento via internet na página do Simec (Sistema de Informações Integradas de Planejamento, Orçamento e Finanças) do Ministério da Educação. Sem o novo cadastro, as escolas deixarão de receber recursos financeiros e material didático de apoio para a educação integral, que amplia a jornada escolar para 35 horas semanais.

O prazo para que as escolas pré-selecionadas para o programa façam o cadastramento, na mesma página, termina no próximo domingo (31). De acordo com o ministério, a meta é chegar até o final deste ano com 45 mil escolas públicas, situadas em regiões de vulnerabilidade social.

O Mais Educação trará, de acordo com o MEC, novidades para este ano letivo. As atividades de cultura, lazer e de esporte foram agrupadas em um eixo comum, chamado de orientação de estudos e de leitura. Além disso, universitários, preferencialmente do curso de pedagogia, atuarão como monitores para acompanhar os alunos do Mais Educação.