domingo, 11 de janeiro de 2015

* Tentativa de fuga abortada...

Por volta de 01:20 da madrugada deste Domingo dia 11/01, uma tentativa de fuga no CDP de Apodi deixou o setor policial bastante movimentado.

As informações dão conta, de que detentos conseguiram furar um buraco na parede de uma das selas que da acesso a murada do CDP, fazendo uso de um eixo de ventilador. Os agentes que estavam de plantão ao perceberem a movimentação estranha, pediram apoio a policia militar, que de imediato se deslocaram até aquela unidade prisional, e conseguiram evitar uma fuga em massa.

Em contato com o diretor do CDP Márcio Morais, o mesmo informou que já tem o nome dos dois responsáveis pela tentativa de fuga, e que vai pedir a transferência dos mesmos pra outras unidades prisionais.
j
Tentativa de fuga...
Eixo de ventilador usado para cavar a parede
Sentinelas do Apodi.

* Lava Jato preocupa campanha de Dilma, afirma empreiteiro preso pela PF.

Preso na carceragem da Polícia Federal em Curitiba desde 14 de novembro, o presidente da empreiteira UTC, Ricardo Pessoa, afirmou em anotações à mão que as irregularidades na Diretoria de Abastecimento da Petrobrás ­ da qual foi titular o ex-diretor Paulo Roberto Costa, delator do esquema alvo da Operação Lava Jato ­ são “fichinha” se levadas em conta outras áreas da estatal. O executivo, apontado como coordenador do cartel que atuou em contratos da petrolífera, também escreveu sobre as doações das empresas à campanha à reeleição da presidente Dilma Rousseff.

Segundo a revista, o trecho era antecedido por outro texto no qual Pessoa escreve que, embora parlamentares considerem que doações oficiais de campanha não configuram crime, pode haver delito se for provada relação direta entre a contribuição eleitoral e contratos públicos. Na delação premiada de Augusto Mendonça, executivo da Toyo Setal, ele havia dito aos investigadores da Lava Jato que o ex­diretor de Serviços Renato Duque pediu doação ao PT como contrapartida aos contratos da empresa com a Petrobrás. Duque nega desvios. Pessoa menciona também que o tesoureiro da campanha de Dilma, Edinho Silva, está “preocupadíssimo”.

* Marta critica Dilma, ataca colegas e afirma: “Ou o PT muda ou acaba”

Para a senadora Marta Suplicy (SP), que foi deputada, prefeita e duas vezes ministra pelo PT, o partido chegou a uma encruzilhada: “Ou o PT muda, ou acaba”. Em entrevista ao Estado, Marta não assumiu explicitamente, mas deixou evidente que está a um passo de sair do PT: “Cada vez que abro um jornal, mais fico estarrecida com os desmandos. É esse o partido que ajudei a criar?”.

Articuladora assumida do “Volta, Lula” em 2014, ela também deixou suficientemente claro que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em alguns momentos, autorizou os movimentos nesse sentido. Quanto ao governo Dilma: “Os desafios são gigantescos. Se ela não respeitar a independência da equipe econômica, vai ser desastroso para o Brasil”. A declaração mais irada ao jornal O Estado de São Paulo foi contra o chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, que ela julga “inimigo do Lula” e “candidatíssimo” a presidente em 2018, mas “vai ter contra si a arrogância e o autoritarismo”.