domingo, 29 de maio de 2016

* Associação dos Delegados da Polícia Civil do RN emite nota de repúdio contra o capitão Styverson.

NOTA DE REPÚDIO

A Associação dos Delegados de Polícia Civil do Rio Grande do Norte (ADEPOL/RN) vem a público manifestar total repúdio às graves declarações imputadas ao capitão PM Styvenson Valentim, coordenador da Lei Seca no Estado, que ganharam repercussão nas redes sociais da internet hoje, 28 de maio de 2016, quando o referido oficial desqualifica, afronta e agride a categoria e a instituição Polícia Civil.

O capitão Styvenson atacou, de forma grosseira, a honra de uma categoria que é reconhecida pela sociedade potiguar pelo seu profissionalismo e comprometimento, atributos que devem ser preservados, sob pena de comprometer a própria ordem pública.

Generalizar e colocar na vala comum todos os integrantes de uma instituição é uma medida arrogante e presunçosa.

Surpreende as declarações, posto que a Polícia Judiciária, apesar dos parcos recursos disponíveis, se esforça ao máximo, ao longo dos anos, para proporcionar maior segurança à sociedade potiguar. Muitos são os profissionais que trabalham diuturnamente, com risco à própria vida, para diminuir os altos índices de criminalidade que assolam o estado potiguar. Este esforço e dedicação não podem ser jogados à lama por questões alheias aos interesses coletivos.

Existe toda uma ordem jurídica e legal a ser seguida nas ocorrências policiais, não podendo o Delegado de Polícia exercer suas atividades ao arrepio da Lei, apenas para satisfazer vontade individual de quem quer que seja. Vivemos em um Estado Democrático de Direito!!!

A ADEPOL/RN ingressará com as medidas judiciais e administrativas contra o agressor, por entender que ele, além de praticar uma transgressão disciplinar, maculou, de forma injusta, a honra dos Delegados de Polícia, categoria centenária no sistema jurídico brasileiro, exercendo atribuição essencial à justiça e exclusiva de Estado, e, não por outro motivo, é considerada a primeira garantidora dos direitos fundamentais do cidadão.

O aparelho da segurança pública é formado por instituições que devem agir entre si com ética, respeito e profissionalismo, buscando sempre o aprimoramento do trabalho e melhor resposta ao anseio popular e ao cumprimento da Justiça.

Por fim, a ADEPOL/RN acredita que a manifestação do referido capitão não é compartilhada pela Polícia Militar, instituição que, cotidianamente, anda ao lado dos Delegados de Polícia no combate à criminalidade e na manutenção da ordem pública e defesa do cidadão.
ASSOCIAÇÃO DOS DELEGADOS DE POLÍCIA CIVIL DO RN

* ‘Reconheço minha explosão emotiva’, diz coordenador da Lei Seca no RN.

G1/RN – O capitão PM Styvenson Valentim, coordenador da Operação Lei Seca no Rio Grande do Norte, está pedindo desculpas à Polícia Civil do estado. Em nota enviada ao G1 no início da tarde deste sábado (29), ele admitiu ter agido intempestivamente ao generalizar sua insatisfação quando disse que “policial civil ganha muito bem para não fazer nada”. E complementa: “Reconheço a minha explosão emotiva por buscar um serviço público melhor, e por isso, aos policiais civis que de fato trabalham e honram o cargo, minhas sinceras desculpas por ter colocado os senhores nos rol dos funcionários públicos preguiçosos, dos parasitas, e que todos sabem que existem”.

A declaração feita por Styvenson causou revolta e indignação, principalmente a agentes e delegados da Polícia Civil. As palavras do capitão estão em um áudio de quase dois minutos que vazou de um grupo de WhatsApp. Nele, o capitão fala com uma mulher sobre como proceder após ela ter se envolvido numa determinada ocorrência de trânsito. A gravação, ainda segundo Styvenson, “foi recortada”, ressalta.
stivenson
Estrelismo não é um bom precedente. 

* Confira imagens: Transexual desfila com fantasia crítica à bancada evangélica na Parada Gay.

Viviany Beleboni, de 27 anos, cumpriu a promessa e subiu em um dos 17 trios elétricos da Parada do Orgulho LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais) em São Paulo com uma fantasia que fazia referência a mais um símbolo religioso, uma representação da Bíblia. A fantasia também trazia as palavras “bancada evangélica” e “retrocesso”, na crítica de Viviany aos deputados que no ano passado criticaram a atitude da transexual em desfilar ‘crucificada’.


A transexual manteve-se concentrada em sua apresentação sobre o trio. A representação da Bíblia abria e fechava, mostrando notas de dólares na parte de trás. No chão, o público aplaudia e acenava para Viviany. O trio elétrico que ela desfilava trazia uma faixa “Fora Temer bem à frente”.

Os organizadores da Parada estimam um público de 2 milhões de pessoas este ano. A Polícia Militar ainda não divulgou estimativa do número de pessoas.
ck-1476
Parada Gay.
Do Portal G1

* TJ nega afastamento de delegado que investiga estupro coletivo.

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ) negou ter determinado o afastamento do delegado Alessandro Thiers, da Delegacia de Repressão a Crimes de Informática, que está a frente das investigações do caso envolvendo uma adolescente de 16 anos estuprada por 33 homens na favela do Morro São José Operário, no Rio.

Em nota, o tribunal informa que o Plantão Judiciário remeteu o pedido da advogada da vítima – solicitando o afastamento do delegado, para a Vara Criminal sob responsabilidade da juíza em exercício, Angélica dos Santos Costa. A juíza, por sua vez, determinou hoje (29), a distribuição do requerimento da advogada a uma vara criminal, “o que só deverá ocorrer nesta segunda-feira”.

A informação sobre o afastamento do delegado Thiers foi dada e comemorada em uma rede social por uma das duas advogadas da menor, Eloisa Samy Santiago. Em sua página no Facebook, sob o título Vitória das Mulheres, a advogada escreveu a notícia desmentida pelo tribunal.

* Temer promete a Gilmar liberar R$ 250 milhões para TSE.

Na conversa que teve com Gilmar Mendes na noite de ontem (foto), no Palácio do Jaburu, Michel Temer prometeu liberar R$ 250 milhões para o TSE providenciar 90 mil urnas eletrônicas e tomar outras medidas em relação às eleições deste ano.

Temer afirmou que vai pedir ao Ministério do Planejamento esta semana que o dinheiro seja liberado o mais breve possível.Mendes já havia tratado o assunto com Romero Jucá.

A propósito, na conversa, Temer disse estar mais aliviado com a situação da mulher, Marcela, e do filho, Michelzinho, em São Paulo, após o incremento no esquema de segurança feito pela Polícia Militar e por seguranças do Planalto, para impedir manifestantes de protestar em frente à casa da família.
gilmarT
Gilmar Mendes.
Por Lauro Jardim