domingo, 4 de dezembro de 2016

* Morre a ex-diretora de Alcaçuz, Dinorá Simas.

Faleceu nesta sexta-feira (02), a Diretora do Presídio Raimundo Nonato em Natal, Dinorá Simas.

Dinorá sofreu um aneurisma no começo desta semana sendo submetida a uma cirurgia e infelizmente não resistiu.

Símbolo da presença feminina no Sistema Penitenciário do Rio Grande do Norte, Dinorá Simas Lima Deodato ingressou na Sejuc RN através de concurso público em 2002, junto com mais cento e quatro (104) mulheres aprovadas. Dinorá deixa 4 filhos (dos quais três mulheres e um homem) e 3 netas.

Dinorá Simas já foi vice diretora do Complexo Penitenciário João Chaves, quando esteve à frente da ala feminina do complexo, em 2011, foi diretora da maior unidade prisional do Rio Grande do Norte, em 2012 e assumiu a direção da Cadeia Pública de Natal, em 2015.

Sobre a atuação no sistema penitenciário do RN, o trabalho como agente de segurança foi sua paixão. Firme e ao mesmo tempo simpática, ela atuou com mão de ferro contra o crime sem dispensar a feminilidade na função.

A Secretaria de Segurança Pública do Estado emitiu nota de Pesar pelo falecimento de Dinorá.
Grande profissional.

* Odebrecht afirma ter enviado propina do PT a El Salvador.

Da Folha de São Paulo

Ex-primeira dama de El Salvador e militante do PT desde os anos 80, Vanda Pignato intermediou, segundo a Odebrecht, o pagamento de R$ 5,3 milhões de caixa dois feito pela empreiteira à campanha de Mauricio Funes, na época seu marido e candidato à Presidência da República do país centro-americano.

O relato faz parte do acordo de delação premiada de executivos da empresa assinado nesta semana por 77 executivos do grupo empresarial baiano.

O dinheiro, segundo delatores, foi pago em 2008 pela Odebrecht ao marqueteiro João Santana, que comandou a comunicação da campanha que elegeu Funes em março do ano seguinte.

O montante foi descontado do caixa do PT junto à empreiteira no qual eram feitos pagamentos de valores ilícitos, segundo disseram os delatores às autoridades.

De acordo com eles, o abatimento teve a autorização do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ligado a Funes e Vanda Pignato.

Um ex-sócio do marqueteiro afirmou à Folha que Santana confidenciou que fez o trabalho a pedido do PT.
Aos procuradores, a Odebrecht relatou que foi Vanda quem acertou os R$ 5,3 milhões com a alta cúpula do PT, devido à sua proximidade com a legenda.

Brasileira, a ex-primeira-dama é hoje secretária de inclusão social do governo de El Salvador, pasta que tem status de ministério.

Separada de Funes desde o ano passado, Vanda começou a militar no PT nos anos 1980, chegando a representar o partido na América Central, quando já morava naquele país. Ela se desfiliou da sigla em 2010.
O episódio esclarece um item da planilha “POSICAO ITALIANO310712MO.xls” encontrada pela Polícia Federal nos arquivos do ex-funcionário da Odebrecht Fernando Migliaccio.

No documento apreendido pela PF, com discriminação de repasses a “Feira”, codinome de Santana na empreiteira, aparece: “Evento El Salvador via Feira 5.300”.

Investigadores da Lava Jato concluíram que a planilha tratava de valores ilícitos pagos pelo Setor de Operações Estruturadas, a área de pagamento de propinas da Odebrecht, negociados com o ex-ministro Antonio Palocci, apelidado de “Italiano”.

Segundo a investigação, Palocci era o principal administrador do caixa do PT junto à empreiteira.
APOIO
O ex-presidente Lula foi um dos principais apoiadores de Funes durante a campanha presidencial do salvadorenho.

O petista tinha interesse na eleição de aliados de esquerda na América Latina e, por isso, indicou Santana –seu marqueteiro de confiança e que comandou campanhas sua e de sua sucessora, Dilma Rousseff– a Funes.

O mote da vitória presidencial do salvadorenho foi, inclusive, o mesmo usado pelo brasileiro em 2002: “A esperança venceu o medo”.

Após a vitória de Funes, o então presidente brasileiro enviou o Gilberto Carvalho, seu principal assessor, para passar cinco dias em El Salvador e contribuir no processo de transição do novo governo do país.

Em seu discurso de posse, em junho de 2009, Funes citou Lula como “exemplo a ser seguido” e disse que implementaria em El Salvador diversos programas sociais baseados em bandeiras da administração do PT, como o Bolsa Família.

Durante a campanha, Funes viajou diversas vezes ao Brasil, retornando após a conquista da Presidência.
Após a vitória, encontrou-se com Lula e apontou o brasileiro como sua principal referência política.

Recentemente, Funes, que foi presidente até 2014, recebeu asilo político na Nicarágua, após alegar sofrer perseguição política.

Ele é investigado em El Salvador por desvio de dinheiro público e enriquecimento ilícito durante seu período à frente do Executivo do país.

* Grave: Padre de Santa Cruz sugere a renúncia do governador Robinson Faria: “Seria uma atitude de grandeza com o RN”

A insegurança do Rio Grande do Norte causa mais uma vítima. Desta vez o professor João Fernandes, no município de Tangará. O crime ocorreu na manhã deste sábado (03) e repercutiu em toda a Região Trairí. 

Em sua homilia durante uma missa, o Padre Vicente Neto, Pároco de Santa Rita de Cássia, em Santa Cruz, fez duras críticas à atuação do Governo do Estado na Segurança Pública. 

E sugeriu a renúncia do governador Robinson Faria: “Seria bom para o RN se o governador dissesse: tentei, me esforcei, mas não consegui. Estou deixando como um gesto de grandeza e não de fraqueza”. 

“Raparam todos os recursos dos Aposentados”, concluiu o Padre Vicente Neto.
Padre.