sexta-feira, 21 de abril de 2017

* Ministros facilitaram processos no TCU.

O ex-executivo da Odebrecht Henrique Pessoa afirmou em depoimento ao Ministério Público Federal que a empreiteira contratou a sobrinha do presidente do Tribunal de Contas da União (TCU), ministro Raimundo Carreiro, como contrapartida à resolução de um processo judicial sobre as obras da usina de Angra 3.

De acordo com o delator, a licitação que foi vencida pelo consórcio do qual a Odebrecht participava em Angra 3 foi judicializada e levada ao TCU pelo consórcio perdedor.

Depois de algum tempo sem que o processo tivesse um desfecho, Pessoa afirmou que o representante da UTC no consórcio, Antonio Carlos Miranda, relatou em uma reunião entre as empresas que “tinha um caminho pra resolver o problema”.

Segundo o ex-executivo da Odebrecht, posteriormente ele ficou sabendo que o advogado contratado para resolver o caso era Tiago Cedraz, filho do ministro do TCU Aroldo Cedraz e que o relator do caso no TCU era Raimundo Carreiro, atual presidente do tribunal.
Montagem Carreiro Tiago e Aroldo Cedraz
Chegando na toga.

Nenhum comentário:

Postar um comentário